Carta para Ana Maria


Eu queria aproveitar o cansaço (que, ao contrário do que vive a sua mãe, não é físico, mas emocional) pra te dar boas-vindas, Ana Maria. Esse mundo, que você até hoje habitou no quentinho do ventre, às vezes cansa. Mas é bonito demais e hoje, quando me dei conta que agora estás aqui, ficou ainda mais leve.

O seu primeiro nome, Ana, é uma lembrança bonita. Sua mãe tem esse nome. E ela é uma das pessoas mais importantes da minha vida. Sempre este do meu lado, mesmo que discordássemos. Sempre foi meu apoio, mesmo quando também estava bamba. Tenha orgulho dessas três letrinhas, que podem ser lidas de frente pra trás ou de trás pra frente – como eu sempre disse a ela e nostalgicamente também direi a ti.

Tenha orgulho também do seu segundo nome. Maria é um dos nomes mais bonitos que existem. É a letra do Milton, cantada pela Elis. “Uma certa magia, uma força que nos alegra. Uma mulher que merece viver e amar como outra qualquer no planeta”. Maria é símbolo deste novo tempo que dá os primeiros passos ao mesmo tempo em que você dá os primeiros suspiros: aquele em que as mulheres, Marias ou não, se orgulham em serem quem são.

E tu, meu amor, ao mesmo tempo és negra e branca, és passado e futuro. És linda.

Aliás, quero que saibas que assim como Luisa e Eliza, você um dia vai descobrir que o nosso laço de amor é fruto do sentimento mais bonito que pode existir: a amizade. É ele que liga as pessoas por um amor sem a obrigação do sangue, mas com a potência da alma. Eu sou sua madrinha porque escolhi estar ao lado dos seus pais das provas de português ao altar – e tive a incrível sorte de ter sido escolhida, também.

Você chegou hoje, Ana Maria, e eu vi nos olhos do teu pai, inebriado de tanto amor, o quanto ainda vais desconstruir as nossas certezas, compartilhar as nossas dúvidas, enriquecer o nosso vocabulário de emoções. Eu olhei pra um dos teus primeiros suspiros e tive a certeza de que o teu começo também é nosso. Porque recomeçamos hoje.

Tu chegaste num dia frio. Chovia e eu sempre acreditei que chuva é bênção. Tu chegaste para mudar tudo. Porque tens no nome a beleza simples de Ana, a complexidade de Maria. Tens em ti um mundo inteiro.

Estarei aqui para admirar teus sonhos, compartilhar do teu tempo, amar os teus passos. Estarei aqui pra te dizer que é lindo ser quem a gente é.

Com todo amor que há em mim.

Marina
que é quase Maria, mas se sente tão orgulhosa de ser mulher quanto você vai se sentir

Outros textos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *