Categoria: Crônica


Mudar de opinião: um direito, um dever, um orgulho


Eu odiava figo. Banana, então, não podia nem sentir o cheiro. Achava que feministas eram radicais demais (beiravam o exagero). Não conseguia imaginar uma refeição sem carne. Repetia aos quatro ventos que videogame era coisa besta, perda completa e absoluta de tempo. Cotas? Um absurdo. Brigamos? É pra sempre. Comprar...

No sertanejo, passaram os amigos e chegaram as amigas


Eu devia ter uns oito anos quando o show Amigos passava na Globo. Era um alvoroço só. Leandro & Leonardo, Chitãozinho & Xororó e Zezé Di Camargo & Luciano eram capazes de parar a cidade do interior que eles nunca pisaram, sequer ouviram falar. Tinha pipoca, tinha família na frente...

2016, esse ano mau que no fundo só queria ser legal


Quis começar 2016 tecnológica, focada, esperta. Ao invés dos bilhetinhos com as metas, decidi anotar meus objetivos para o ano numa nota no celular. Pois bem: fui checar a famigerada lista e ela não estava mais lá. Ficou mais difícil avaliar 2016. Então resolvi avaliá-lo de fora pra dentro. (mais…)

“Você pre-ci-sa ver essa série” e outras mentiras que te contam


Melhores amigos ou recém-conhecidos, tanto faz. O papo começa e dois minutos depois alguém comenta sobre uma série que eu não fazia ideia de existia ou simplesmente não tenho interesse em ver. O tom nunca é de sugestão. É quase impositivo. Geralmente me sinto olhando para uma daquelas máquinas de...

“Os piás só queriam jogar bola”


A terra do Oeste catarinense é vermelha. Um tom que era a marca registrada dos meninos da minha infância. Os pés, como carimbos, iam marcando o chão por onde passavam. Nem precisava contar: estavam jogando bola. Nasci há 46 quilômetros de Chapecó. Mas poderia ter nascido do outro lado do...

O mundo em estado auto: automático e solitário


A mensagem foi autocorrigida por uma máquina que não sabe o que eu quero escrever e muda o que eu sinto sem pedir licença. Liguei pro banco e o meu problema é simples, basta procurar um autoatendimento. Desisti de correr para a terapia porque a autoajuda da moda parece funcionar....

Uma felicidade tamanha (ou ser feliz não é para momentos nobres)


Os dias estão densos. O calor se tornou abafamento, o cansaço acumulado dos 10 meses e meio arrasta os 45 dias que vem pela frente, notícias ruins parecem oxigênio: mesmo invisíveis, você tem certeza que estão ali e que, em algum lugar do mundo, uma grande desgraça está prestes a...

Idealizar é querer que o outro seja previsível


Todos os dias eu respiro fundo. Não porque medito, mas porque preciso que o ar entre nos meus pulmões e comprima, pelo menos um pouco, a minha frustração. Porque quem cria expectativas demais às vezes parece transbordar. E a sensação de que falta só a gota d'água é uma sombra...

Nuvens negras não se atraem – mas mancham o seu olhar


Volta e meia entro numa cilada meio exotérica – nem sei bem como isso funciona, mas entro – e passo a acreditar em nuvens negras, infernos astrais e que um problema, definitivamente, atrai outro. Mesmo, no fundo, sabendo que nada disso procede, parece que as situações ruins tem um ímã...