manha. (manhã)


Você está aqui ao lado e dorme. E respira fundo, e mexe os dedos, e puxa a coberta. E dorme. Aqui ao lado. Eu tinha esquecido como é bonito ver alguém dormindo e querer zelar pelo seu sono ao mesmo tempo em que quer acordar pra saber o que é o seu sonho – e desejar tanto que, com os olhos fechados, me veja tanto quanto com os olhos abertos.

Você está aqui ao meu lado. E em cima da mesa, no lugar onde ficam os meus celulares, tem um celular a mais, um relógio que nunca foi meu e ali do lado tem um violão que eu nunca vou saber tocar mas você sabe. E eu fiquei estática por uns quarenta segundos olhando pra essa cena como se cinema nenhum no mundo pudesse ser uma fotografia tão bonita, tão simples como essas pequenas coisas.

Aliás, você que vive usando filmes pra explicar as coisas, podia me dizer porque eu sinto como se você dormindo poderia ser o longa metragem da minha vida.

Eu acabei de passar os meus dedos nos teus, e tu me seguraste dormindo. E enroscou os dedos nos meus como se coisa mais simples não pudesse haver e continuou dormindo, e suspirando e respirando fundo.

Você dorme aqui ao meu lado. E respira fundo. E suspira. E o relógio, e os celulares e o violão suspiram também. E eu lembrei que ontem a noite, bem de pertinho, você me disse o que sentia por mim. Paz.

Outros textos

7 Replies to “manha. (manhã)”

  1. bom demais…nao ha o q eu nao leia, e nao ha o q tu escreva q nao me toque,por dentro ou por fora…sempre lindo!

  2. Lindo!!! perfeito! as palavras vão saindo quase tão silenciosamente quanto um suspiro sonolento…
    Amei, quase me senti como uma terceira pessoa, admirando silenciosamente esse lindo filme de amor…

    Parabens!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *