Quem eu gostaria de ser


Acho que foi Maria Ribeiro, numa edição das muitas atrasadas do Saia Justa que vejo no celular deitada no sofá, que disse um termo como “alter-eu”. Um pouco depois, assisti a um Papo de Segunda em que Adriana Falcão falava sobre se sentir uma fraude. Eu deveria ter assistido isso em outro momento da vida, mas acabou rolando perto da crise do aniversário e em mais um dia de eterna crise existencial.

Quem eu gostaria de ser lê Foucault, faz academia todos os dias ouvindo jazz, dorme pouco e se sente disposta, não perde tempo com joguinhos bobos no celular, se maquia todos os dias, sabe nomes de perfumes e divide muito bem a vida pessoal da profissional. Quem eu sou começa a ler 456 livros ao mesmo tempo, procura na internet como se escreve o nome dos principais autores da psicanálise, tira sonecas da tarde por duas horas nos fins de semana depois de se frustrar por não conseguir bater a meta do tetris. Saio pra tomar café com os clientes e aconselho profissionalmente os amigos. Sou uma fraude.

Esse sentimento incompreensível de se afastar cada vez mais de quem a gente gostaria de ser deveria ser a mola propulsora de uma revolução que faria de nós pessoas mais felizes e bem sucedidas, mas acaba sendo motivador de mais uma panela de brigadeiro, além de dar sono.

A minha “alter-eu” é uma pessoa agradável, engraçada e muito (muito!) organizada. Sabe de vinhos, decora as datas de aniversário dos amigos, não posta selfies no Instagram e nem sofre quando o cabelo está ruim ou a calça não fecha. Sabe que o conteúdo compensa o egocentrismo de uma foto. Quem eu sou se frustra por não achar um ângulo bom e chora ao ver que gente tosca e sem conteúdo bomba – e ainda mais quando percebe que também é tosca e sem conteúdo e não bomba.

Quem eu gostaria de ser tem posicionamentos políticos incríveis, escreve como ninguém e se corresponde com Ivan Martins, Xico Sá e Fernanda Torres. Na real tenho dificuldades de formular frases, visto pijamas por dias inteiros e só hoje já tomei uma garrafa e meia de café.

No fim das contas, ser quem eu gostaria de ser é uma pessoa infalível, inteligente e super bem resolvida. Alguém que eu acharia chata pra cacete.

Outros textos

One Reply to “Quem eu gostaria de ser”

  1. Rsrsrs adoro seus textos, eles me trazem a leveza que preciso para dias como hoje…
    Se eu fosse ser a pessoa q gostaria de ser… teria perdido todos os momentos que vivi ate agora, que apesar de algumas dores tambem tive varios sorrisos, ah e esses sorrisos valem muito, valem ser quem sou hoje…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *