Um amor pra chamar de meu


A gente acorda e fica se roçando na cama como se a gente não tivesse nada pra fazer. E se tivesse, nem aí mesmo. Eu fico me espreguiçando enquanto você coloca a cabeça na minha barriga e a gente tira sonecas intermináveis. As nossas sonecas são jeitos meio freudianos de dizer que a gente quer mesmo é acordar de novo. Eu amo a sua cara de sono e as suas sardas que ficam mais marrons de manhã. Assim como o seu olho, que fica quase verde e mesmo que eu não goste de olhos claros você tem o olho verde não claro mais bonito do mundo.

Eu não pensei que amar fosse simples como tirar soneca pra acordar de novo. E você me mostrou que é.

Outros textos

6 Replies to “Um amor pra chamar de meu”

  1. quando o amor existe, cabelos emaranhados e rostos inchados, não passam de detalhes tão pequenos, que nem chegam a ser percebidos, ô vontade de ter um…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *